1957

Do Tratado de Roma ao Sputnik

Cosmopolis

© José Adelino Maltez, História do Presente, 2006

Síntese:

Do Tratado de Roma ao Sputnik

Sadat, neutralismo e não alinhamento">Sadat, neutralismo e não alinhamento

A missão da CEE

A teoria da integração

URSS, aparelho e esqueleto

À volta do mundo:

Norte de África

Médio Oriente

Haiti

Integração europeia

Europa Ocidental

URSS

Competição espacial

I Conferência de Solidariedade Afro-Asiática

Ásia

Gana

Congo belga

Zanzibar

América do Sul

   

Ideias:

Da descoberta da new class ao dr. Jivago

An Economic Theory of Democracy

Ópio dos intelectuais

Oriental Despotism

 

1957

O I Congresso Republicano de Aveiro e o Movimento Monárquico Independente

Do Tratado de Roma ao Sputnik

Da descoberta da new class ao dr. Jivago

Da razão animada ao pátio das cantigas

µ Revista Encontro da JUC/ Movimento Anti-Colonialista (MPLA e PAIGC) ä I Congresso Republicano de Aveiro ä Estruturam-se várias forças oposicionistas, como a Frente Nacional Liberal e Democrática e o Movimento Monárquico Independente, dirigido por Gonçalo Ribeiro Teles. ä V Congresso do PCP. Apoia a imediata e completa independência das colónias

M Greves

1 e 59 (Novembro). Oposição organiza listas em Lisboa, Porto, Braga e Aveiro

 

Do Tratado de Roma ao Sputnik – No ano do lançamento da frustrada, Frente Nacional Liberal e Democrática, quando Domingos Monteiro edita O Homem Contemporâneo e Álvaro Ribeiro reflecte sobre A Razão Animada, eis que o monárquico Henrique Barrilaro Ruas, na senda do humanismo cristão, teoriza A Moeda, o Homem e Deus, enquanto António Sérgio edita Pátio das Cantigas, das Palestras e das Pregações. António Quadros, com Afonso Botelho, emitem a revista 57- Actualidade, filosofia, arte, ciência e literatura, que dura até1962. Já no Brasil, Agostinho da Silva publica Reflexão, no ano em que também se destaca Sérgio Buarque de Holanda, com Visão do Paraíso. Joaquim da Silva Cunha emite o primeiro volume do seu Direito Internacional Público e o jesuíta Lúcio Craveiro da Silva, da Pontíficia Universidade Católica de Braga, reflecte sobre Comunidade Internacional, Comunidade Europeia e Soberania Nacional. Começam as transmissões regulares da RTP (7 de Março), liderada pelo então marcelista Camilo de Mendonça, depois da instituição ter sido fundada em 15 de Dezembro de 1955. A oposição, apesar de ser autorizada a realizar o I Congresso Republicano, vê o Supremo Tribunal de Justiça não a deixar concorrer às eleições para a Assembleia Nacional, enquanto se cria o Movimento Monárquico Independente, confirmando-se uma efectiva oposição monárquica ao regime. No ano em que Mário Soares conclui a sua segunda licenciatura, desta feita em direito, começa também a publicar-se a revista Encontro, ligada à JUC, enquanto se cria um Movimento Anti-Colonialista, ligando elementos do MPLA e do PAIGC. Emerge também o conflito entre o bispo da Beira, D. Sebastião Garcia Resende e o governo.

Da descoberta da new class ao dr – Jivago – O ano de 1957 é também marcado pela assinatura do Tratado de Roma (25 de Março) e pelo Sputnik I (4 de Outubro), o primeiro satélite que os homens lançam para além da atmosfera, marcando o início da era espacial, a que se segue, em 31 de Janeiro de 1958, o primeiro satélite norte-americano, o Explorer I. No Reino Unido, com o novo primeiro-ministro conservador, Harold MacMillan (09 de Janeiro), dá-se a explosão da primeira bomba de hidrogéneo (15 de Maio). No ano da morte de Wilhelm Reich e de Arthur Fisher Bentley e de plena vigência de uma democracia dos mandarins (A. Toulemon), vive-se nova etapa na aventura ocidental do homem (Rougemont), onde uns se interrogam sobre se o ocidente liberal está em declínio (Kohn) e outros, vindos do Leste, denunciam, neste, The New Class (Milovan Djilas, naquilo que qualifica como uma análise do sistema comunista), onde dominam aqueles apparatchiki, que, mais tarde, serão designados por nomenklatura (Voslenski,1980). Assim se demonstra como também o comunismo gera o status in satu, a que se referia o nosso Almeida Garrett, ao teorizar os barões do nosso devorismo, instalado em 1834. Enquanto isto, Boris Pasternak publica O Doutor Jivago, quando Raymond Aron ridiculariza o marxismo como o ópio dos intelectuais, mas em tempo de revisionismo marxista, assinale-se Roger Garaudy com Humanisme Marxiste e Karl Wittfogel (1896-1988), antigo militante do partido comunista alemão, a teorizar, em Yale, Oriental Despotism, naquilo que pretende ser um estudo comparativo do poder total, analisando as chamadas sociedades hidráulicas do oriente, ligadas a uma forte densidade populacional e que geram um sistema burocrático minucioso. Já Ernst Kantorowicz analisa historicamente a ideia de The King’s Two Bodies e Judith Skharm investiga o declínio da fé política em After Utopia. Destaca-se o sociólogo Ralph Dahrendorf, com Klassen und Klassenkonflikt in der industriellen Geseschaft. Já o politólogo italiano Giovanni Sartori (1924) lança Democrazia e Definizioni, tema que retoma em1987, com Theory of Democracy Revisited, quando Henry Kissinger publica a sua dissertação de doutoramento em Harvard, A World Restored, sobre o modelo de Metternich e Anthony Downs publica An Economic Theory of Democracy. No plano da teoria do Estado, Jean Dabin, com L’État ou le Politique, e Roland Maspétiol, com La Societé Politique et le Droit, enquanto, no tocante à filosofia do direito, é relevante Michel Villey, Leçons de Philosophie du Droit, bem como Hans Welzel, Naturrecht und Rechtpositivismus. Já Eric Voegelin lança o segundo volume de Order and History, sobre The World of Polis, enquanto Samuel Huntington publica The Soldier and the State e Bertrand Russell explica Why am not a Christian. O Conselho da Europa lança a mesa redonda sobre Europa e os Europeus, coordenada por Max Beloff, Gunnar Myrdal publica Rich Lands and Poor, procurando o caminho para a prosperidade do mundo, Claude Polin denuncia L’Esprit Totalitaire e Norman Cohn procura os fanáticos do Apocalipse. Surgem dois volumes de Teilhard de Chardin, Le Milieu Divin e La Vision du Passé e Mircea Eeliade teoriza Mythes, Rêves et Mystères.

 

O ano de 1957 é também marcado pela assinatura do Tratado de Roma (25 de Março) e pelo Sputnik I (4 de Outubro), o primeiro satélite que os homens lançam para além da atmosfera, marcando o início da era espacial, a que se segue, em 31 de Janeiro de 1958, o primeiro satélite norte-americano, o Explorer I. No Reino Unido, com o novo primeiro-ministro conservador, Harold MacMillan (09 de Janeiro), dá-se a explosão da primeira bomba de hidrogéneo (15 de Maio).

 

 

Janeiro Fevereiro Março
Abril Maio Junho
Julho Agosto Setembro
Outubro Novembro Dezembro

 

 

Citações

 

Sadat, neutralismo e não alinhamento">Sadat, neutralismo e não alinhamento

 

Nós, egípcios, acreditamos no neutralismo e no não-alinhamento. Acreditamos que, adoptando esta atitude, contribuímos para a aproximação entre os dois blocos e criamos uma vasta área de paz que se imporá pouco a pouco a todo o mundo
(Sadat)

 A missão da CEE

A missão da CEE é promover, através do estabelecimento de um mercado comum e da aproximação progressiva das políticas económicas dos Estados membros, um desenvolvimento harmonioso das actividades económicas no conjunto da Comunidade, uma expansão contínua e equilibrada, uma estabilidade acrescida, uma subida acelerada do nível de vida e relações mais estreitas entre os Estados que a compõem

(Tratado de Roma)

 A teoria da integração

Não estamos integrando economias, estamos integrando políticas

(Hallstein)

 URSS, aparelho e esqueleto

A burocracia não possui nenhum suporte autónomo como o exército ou a NKVD: o seu único suporte é o próprio aparelho, que não é outro senão o esqueleto do Estado

(Edgar Morin)

Do Tratado de Roma ao Sputnik

O ano de 1957 é também marcado pela assinatura do Tratado de Roma (25 de Março) e pelo Sputnik I (4 de Outubro), o primeiro satélite que os homens lançam para além da atmosfera, marcando o início da era espacial, a que se segue, em 31 de Janeiro de 1958, o primeiro satélite norte-americano, o Explorer I. No Reino Unido, com o novo primeiro-ministro conservador, Harold MacMillan (09 de Janeiro), dá-se a explosão da primeira bomba de hidrogéneo (15 de Maio).

Da descoberta da new class ao dr. Jivago

No ano da morte de Wilhelm Reich e de Arthur Fisher Bentley e de plena vigência de uma democracia dos mandarins (A. Toulemon), vive-se nova etapa na aventura ocidental do homem (Rougemont), onde uns se interrogam sobre se o ocidente liberal está em declínio (Kohn) e outros, vindos do Leste, denunciam, neste, The New Class (Milovan Djilas, naquilo que qualifica como uma análise do sistema comunista), onde dominam aqueles apparatchiki, que, mais tarde, serão designados por nomenklatura (Voslenski, 1980). Assim se demonstra como também o comunismo gera o status in satu, a que se referia o nosso Almeida Garrett, ao teorizar os barões do nosso devorismo, instalado em 1834. Enquanto isto, Boris Pasternak publica O Doutor Jivago, quando Raymond Aron ridiculariza o marxismo como o ópio dos intelectuais, mas em tempo de revisionismo marxista, assinale-se Roger Garaudy com Humanisme Marxiste e Karl Wittfogel (1896-1988), antigo militante do partido comunista alemão, a teorizar, em Yale, Oriental Despotism, naquilo que pretende ser um estudo comparativo do poder total, analisando as chamadas sociedades hidráulicas do oriente, ligadas a uma forte densidade populacional e que geram um sistema burocrático minucioso. Já Ernst Kantorowicz analisa historicamente a ideia de The King’s Two Bodies e Judith Skharm investiga o declínio da fé política em After Utopia. Destaca-se o sociólogo Ralph Dahrendorf, com Klassen und Klassenkonflikt in der industriellen Geseschaft. Já o politólogo italiano Giovanni Sartori (1924) lança Democrazia e Definizioni, tema que retoma em1987, com Theory of Democracy Revisited, quando Henry Kissinger publica a sua dissertação de doutoramento em Harvard, A World Restored, sobre o modelo de Metternich e Anthony Downs publica An Economic Theory of Democracy. No plano da teoria do Estado, Jean Dabin, com L’État ou le Politique, e Roland Maspétiol, com La Societé Politique et le Droit, enquanto, no tocante à filosofia do direito, é relevante Michel Villey, Leçons de Philosophie du Droit, bem como Hans Welzel, Naturrecht und Rechtpositivismus. Já Eric Voegelin lança o segundo volume de Order and History, sobre The World of Polis, enquanto Samuel Huntington publica The Soldier and the State e Bertrand Russell explica Why am not a Christian. O Conselho da Europa lança a mesa redonda sobre Europa e os Europeus, coordenada por Max Beloff, Gunnar Myrdal publica Rich Lands and Poor, procurando o caminho para a prosperidade do mundo, Claude Polin denuncia L’Esprit Totalitaire e Norman Cohn procura os fanáticos do Apocalipse. Surgem dois volumes de Teilhard de Chardin, Le Milieu Divin e La Vision du Passé e Mircea Eeliade teoriza Mythes, Rêves et Mystères.

Integração europeia

No ano em que é renovado o contrato sobre as Lajes (15 de Novembro), o relatório anual da Associação Industrial Portuguesa considera: a integração europeia, abrindo as perspectivas de nova orientação dos mercados, pela instauração imediata da Comunidade Económica dos Seis e preparando a criação da Zona de Comércio Livre, em que Portugal não poderá deixar de integrar-se, suscita no espírito de todos os industriais portugueses conscientes do seu alcance a convicção da necessidade de se preparar sem demora a nossa estrutura económica para o choque de novas e exigentes condições de trabalho. Portugal, como é notório, não está preparado para elas

À volta do mundo:

Europa Ocidental

Em França, cai o governo de Guy Mollet (21 de Maio de 1957), sucedendo-lhe o gabinete de Bourgès-Maunory (5 de Junho de 1957), por sua vez substituído pelo de Félix Gaillard (6 de Novembro de 1957), com Chaban-Delmas na defesa e Christian Pineau nos estrangeiros, num ritmo marcado pela tragédia argelina (Aron,1957).

Na República Federal da Alemanha, depois da CDU ter obtido a maioria absoluta (15 de Setembro de 1957), há também um novo gabinete, com Von Brentano nos estrangeiros e Strauss na defesa (28 de Outubro de 1957), pouco depois do social-democrata Willy Brandt ser eleito burgomestre de Berlim Oeste (3 de Outubro de 1957).

No Reino Unido, o primeiro-ministro conservador Anthony Eden cede o seu lugar a Harold MacMillan (9 de Janeiro de 1957). Este tem um encontro com Eisenhower nas Bermudas, de 21 a 24 de Março de 1957, onde se decide que as forças armadas britânicas passarão a ser equipadas com mísseis norte-americanos.

Em Espanha surge um novo governo, com a entrada dos tecnocratas do Opus Dei, que vai iniciar um programa de estabilização económica e de abertura comercial ao exterior.

Nos Estados Unidos é estabelecida a doutrina Eisenhower de auxílio aos Estados do Médio Oriente que o solicitarem (5 de Janeiro), pelo que em 23 de Março de 1957, os Estados Unidos já aderem ao comité militar do Pacto de Bagdade.

No Canadá, voltam ao poder os conservadores, sob a liderança de John George Diefenbaker.

URSS

 

Já a partir de Outubro do mesmo ano, vão começar a cair os antigos aliados de Khruchtchev: primeiro o ministro da Defesa, Jukov. Com efeito, como assinalava Edgar Morin, o aparelho tem igualmente de lutar contra o exército e reforçá-lo, de lutar contra a burocracia e reforçá-la, de lutar contra a classe operária e reforçá-la. Com efeito, a burocracia não possui nenhum suporte autónomo como o exército ou a NKVD: o seu único suporte é o próprio aparelho, que não é outro senão o esqueleto do Estado

Finalmente, estrutura-se o Sexto Plano Quinquenal de 1956-1960, onde se prevê a supressão das estações de máquinas e tractores, com a venda dos mesmos aos kolkhozes, bem como a regionalização da indústria. Com efeito, no domínio da política agrícola, Khruchtchev optou por um desenvolvimento extensivo, nomeadamente desbravando as terras virgens da Sibéria, bem como pelo refortalecimento dos sovkhozes e pelo reagrupamento dos kolkhozes. Do mesmo modo, apostou-se no desenvolvimento da indústria química, como um meio de apoio à agricultura.

Competição espacial

 

 

I Conferência de Solidariedade Afro-Asiática

É neste ambiente que se realiza no Cairo a I Conferência de Solidariedade Afro-Asiática (26 de Dezembro de 1957), onde se condenam o colonialismo e o imperialismo e que defende a luta contra o subdesenvolvimento.

 

Ásia

 

 

Na Indonésia são expulsos todos os cidadãos holandeses que estavam instalados no território (5 de Dezembro de 1957).

 África

 

No Congo belga, há violentos confrontos em Léopoldville, desencadeados pelo movimento independentista Abako, de base tribal, que obtém importantes vitórias nas eleições locais realizadas nas principais cidades. Surgiu também o Movimento nacional Congolês, dirigido por Patrice Lumumba, que tentou um programa independentista unitário, contrariando as tendências secessionistas e tribalistas, mas de forte pendor esquerdista.

América do Sul

Na Colômbia, estabelece-se uma reforma constitucional, onde conservadores e liberias, de forma rotativa, vão permanecer no poder durante cerca de doze anos.

 

No Chile surge um Partido Demócrata Cristiano (PDC), juntando sectores da Falange Nacional e do velho Partido Conservador, enquanto a esquerda cria a Frente de Acción Popular (FRAP), integrada pelos comunistas.

 

Haiti
(
République d'Haiti)

Uma república com 27 750 km2 e 7,4 milhões de habitantes (1997). Significa na língua local, país das montanhas. Independente desde 1804, sob a liderança de Toussaint l'Ouverture, constituindo a primeira república negra da América. Ocupa a parte ocidental da ilha dita por Cristóvão Colombo de Hispaniola, sendo a outra constituída pela República Dominicana. Tal parcela foi destacada pelos franceses do império espanhol das Antilhas em 1697.

A entidade política em causa foi sempre marcada pelos conflitos entre uma minoria de mulatos e uma maioria de negros. Estes sobem ao poder em 1957 através da eleição de François Duvalier, médico, antigo ministro do trabalho e da saúde, misturando ideias de esquerda com a prática do culto vaudou.

Dito papa Doc estabelece uma sangrenta ditadura com sucessivos conflitos com os Estados Unidos e a Igreja Católica.

Em1971 sucede-lhe o filho, Jean-Claude Duvalier, dito baby Doc.

Em1990 foi eleito presidente o padre Jean-Bertrand Aristide (70%), partidário da teologia da libertação, impedido de exercer o poder por um golpe militar, logo em Setembro de 1991.

Nos finais de 1994, por pressão norte-americano, dá-se o regresso de Aristide, com eleições parlamentares em Julho de 1995 e presidenciais em Dezembro do mesmo ano. Nestas, é eleito René Preval, que toma posse em Fevereiro de 1996.

Norte de África

 

Já no Egipto, Nasser institucionaliza o novo regime, nacionalizando os bancos, as companhias de seguros e as grandes empresas comerciais estrangeiras, ao mesmo tempo que institui um partido único, a União Nacional, cujos estatutos até foram inspirados na congénere portuguesa, de António de Oliveira Salazar. Começa uma aproximação à URSS, donde recebe um avultado empréstimo, dando o exemplo ao regime baasista da Síria, que também se aproxima de Moscovo, pouco preocupado com o facto de tais regimes continuarem a proibir os partidos comunistas locais.

Médio Oriente

 

No Líbano, há distúrbios por ocasião das eleições parlamentares de 1957, com os muçulmanos a quererem alinhar com as posições da Síria e do Egipto.

 

 

 

©  José Adelino Maltez, História do Presente (2006)

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: 30-04-2009