/span>
  || Governos || Grupos || Eleições || Regimes || Anuário || Biografias ||

  Ciclos Políticos 1907-1910


 

1907

 

1908

 

Ferreira do Amaral (326 dias) G1908

1909

C. Henriques (108)

S. Teles (34 dias)

Venceslau de Lima (223 dias)

1910

Veiga Beirão (187 dias)

T. Sousa (102) G1910

     

1907

Da greve académica ao governo à turca

Ciência social e pregmatismo

Fernando Pessoa na greve académica

Pormenores em anuário CEPP

  Greve académica desencadeada em Coimbra em Março. Alastra a todo o país e dura até Maio.

Governo nº 49 (2 de Maio) João Franco sem progressistas, em regime de ditadura.

Nova lei de imprensa (20 de Junho)

  Bombas em Lisboa (6 de Agosto)

Júlio de Vilhena é eleito líder dos regeneradores (12 de Outubro). Descontentamento de Campos Henriques e António Teixeira de Sousa.

  Nova explosão acidental de uma bomba na Rua do Carri ão em Lisboa (17 de Novembro)

1908

Do regicídio à impossível acalmação

Dos jovens turcos ao remédio para os males pátrios

Estudo do processo político

Pormenores em anuário CEPP

Denunciada conspiração promovida por republicanos e dissidentes progressistas (28 de Janeiro)

Assassinato do rei (1 de Fevereiro)

Começa reinado de D. Manuel II

Governo nº 50 (4 de Fevereiro) Ferreira do Amaral (326) Dito governo da acalmação. 2 regeneradores, 2 progressistas e 3 amaralistas.

Eleição nº 44 (5 de Abril). 63 regeneradores, 59 progressistas, 15 amaralistas, 7 republicanos, 7 dissidentes progressistas, 3 franquistas e 1 nacionalista.

No dia das eleições, há graves tumultos em Lisboa, com catorze mortos e cerca de uma centena de feridos.

Republicanos vencem as eleições municipais de Lisboa (1 de Novembro).

Governo nº 51 (26 de Dezembro 1908) Campos Henriques (108 dias). Apoio de dissidentes regeneradores (21 dos 63 deputados) e de lucianistas, gera a oposição de um bloco de vilhenistas e dissidentes progressistas.

  O chefe dos regeneradores, Júlio de Vilhena, retira apoio a Ferreira do Amaral. Henriques consegue ser apoiado por parte dos regeneradores adversários de Vilhena e por José Luciano. Em oposição surge um Bloco de vilhenistas e de disidentes progressistas (26 de Dezembro)

1909

A conspiração republicana e monárquicos discutindo o sexo dos anjos

Futurismo e corporativismo

Pormenores em anuário CEPP

·Alfonso XII visita Vila Viçosa (13 de Fevereiro)

  O regenerador vilhenista Caeiro da Matta atac o ministro Espregueira na CD (10 de Março)

·Motim dos vinicultores do Douro (Março)

  

  Governo nº 52 (11 de Abril) Sebastião Teles (34 dias) . 4 lucianistas, 2 henriquistas e 2 amaralistas.  

Tenta deter-se o avanço carbonário no Exército.

Terramoto em Benavente (23 de Abril)

  Congresso do PRP em Setúbal, com ascensão dos carbonários à direcção e apoio ao programa de derrube da monarquia pela via revolucionária (24 e 25 de Abril)

  Governo nº 53 (14 de Maio) Wenceslau de Lima (223 dias). Governo não inspirado por José Luciano, dito do valido do rei ou da Politécnica do Porto.

Movimentação anticlerical em Lisboa (2 de Agosto)

Em Dezembro, outra, do mesmo teor, promovida pela Junta Liberal, de Miguel Bombarda, Egas Moniz e Cândido dos Reis,

  O republicano Consiglieri Pedroso vence as eleições na Sociedade de Geografia de Lisboa (Julho)

  Republicanos organizam comissão militar para o derrube da monarquia (Julho)

Grande manifestação republicana anticlerical em Lisboa (2 de Agosto)

·Artur Montenegro substitui Francisco de Medeiros na pasta da justiça, depois do governo ter entrado em conflito com o bispo de Beja (28 de Outubro)

  Republicanos vencem eleições paroquiais (29 de Novembro)

  Grande manifestação da Junta Liberal Republicana (Dezembro)

Governo nº 54 (22 de Dezembro 1909) Veiga Beirão (187 dias). Regresso dos lucianistas ao poder.

Escândalos do Hinton e da Companhia de Crédito Predial.

  António Teixeira de Sousa logo substitui Vilhena na chefia dos regeneradores.

1910

Escândalos, conspirações e António Teixeira de Sousa

Da Alma Nacional a A Águia

Saudosismo

Grupos políticos

Pormenores em anuário CEPP

Conspirações republicanas

  Surge a revista Alma Nacional dirigida por António José de Almeida (Fevereiro)

Questão Hinton na CD (22 de Abril)

  Congresso do PRP no Porto (29 e 30 de Abril)

·Escândalo do Crédito Predial afecta a imagem de José Luciano (1 de Maio)

·D. Manuel II inaugura o Congresso Nacional na Sociedade de Geografia de Lisboa (14 de Maio)

 

Governo nº 55 (26 de Junho) António Teixeira de Sousa (102 dias). Apoio dos dissidentes progressistas.

Eleição nº 45 (28 de Agosto).

  Bloco liberal, apoiante do governo, 90 deputados (sousistas, dissidentes progressistas, franquistas de Malheiro Reimão, católicos franciscanos da democracia-cristã)

  Bloco conservador de oposição (lucianistas, henriquistas, franquistas, nacionalistas, católicos jesuíticos e miguelistas). 14 deputados republicanos.

Implantação da República em 5 de Outubro de 1910

               

Regressar ao index

 

1820-1825

1826-1832

1833-1836

1837-1841

1842-1851

1851-1865

1865-1867

1868-1876

1877-1879

1880-1886

1887-1900

1901-1906

1907-1910

1910-1915

1916-1918

1919-1926

1927-1931

1932-1944

1945-1950

1951-1957

1958-1960

1961-1973

1974-

 

Projecto CRiPE- Centro de Estudos em Relações Internacionais, Ciência Política e Estratégia. © José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: 31-03-2009